Infoxicação

Por incrível que pareça, este neologismo não foi inventado agora. Foi criado pelo físico espanhol Alfons Cornellá em 1996, unindo as palavras informação e intoxicação, indicando um excesso de informação que não é “digerida” de uma maneira saudável e que pode acarretar em ansiedade, estresse, dispersão, entre outros males ao nosso corpo, mente e emoções. SeContinuar lendo “Infoxicação”

Mulheres que correm com os lobos.

Chego às páginas finais deste livro que me acompanhou durante o ano.  Eu já havia ensaiado sua leitura uma vez quando tinha 18 anos, na época, não passei da introdução. Na segunda vez, eu estava por volta dos 30, avancei até o início do primeiro capítulo, mas ele não me fisgou.  Eu já havia esquecidoContinuar lendo “Mulheres que correm com os lobos.”

“Perdão é feito para gente pedir”

Hoje, peço perdão a quem julguei. Peço perdão a quem feri. Peço perdão a quem não fui justa. Somos todos seres em evolução, erramos. E temos o livre arbítrio de buscar a arrogância ou a humildade. Hoje, perdoo a quem me julgou. Perdoo a quem me feriu. Perdoo a quem me tratou com injustiça. SomosContinuar lendo ““Perdão é feito para gente pedir””

Criativar-se é se permitir criar.

Quando pequena, com uns nove anos de idade, me deixaram costurar em uma máquina “de verdade” pela primeira vez. Estava feliz, pois já  era grande o suficiente para pilotar aquela máquina, na qual eu via minhas avós e mãe criarem tantas coisas lindas, fazer remendos, abrir casas de botão… Estava muito entusiasmada em poder materializar todas as roupasContinuar lendo “Criativar-se é se permitir criar.”

“O jeito Harvard de ser feliz”

Enquanto ainda filosofamos sobre a resposta de quem chegou antes o “ovo ou a galinha”, o pesquisador de Harvard, Shown Achor, inverteu a lógica de que sucesso traz felicidade e explica em sua obra “O jeito Harvard de ser feliz”, que na verdade é a felicidade que se converte em sucesso. Leituras neste caminho, podemContinuar lendo ““O jeito Harvard de ser feliz””